A associação baseada em coopetição nas redes interorganizacionais do turismo: uma comparação entre Curitiba e Foz do Iguaçu, Brasil
PDF (English)
PDF

Palavras-chave

Coopetition. Interorganizational networks. Partnering. Tourism. Coopetição. Redes interorganizacionais. Associação. Turismo.

Como Citar

Chim-Miki, A. F., & Batista-Canino, R. M. (2017). A associação baseada em coopetição nas redes interorganizacionais do turismo: uma comparação entre Curitiba e Foz do Iguaçu, Brasil. RBGN - Revista Brasileira De Gestão De Negócios, 19(64), 219–235. https://doi.org/10.7819/rbgn.v0i0.3326

Resumo

Objetivo – Este artigo tem como objetivo apresentar um modelo
para analisar o contexto e o comportamento crítico da associação
interorganizacional com base na estratégia de coopetição.


Metodologia – A pesquisa é exploratória, com metodologia estatística
descritiva. A coleta de dados baseou-se em um questionário de
percepção empresarial aplicado a 545 empresas de turismo e a 49
associações empresariais locais em duas cidades brasileiras.


Resultados – O principal resultado teórico foi a introdução de
um modelo de associação (partnering) e suas variáveis baseadas na
coopetição. O principal resultado empírico foi comprovar que a alta
competição interna entre os participantes no setor de turismo é uma
maior fonte de comportamento de coopetição do que a concorrência
externa. Valores compartilhados, confiança mútua, complementaridade
e conscientização das vantagens competitivas derivadas da parceria
coexistem com a concorrência interna entre as empresas desse setor.


Contribuições – A coopetição no setor de turismo é pouco pesquisada,
mas este estudo confirma que é um comportamento híbrido muito
apropriado para explicar as relações atuais nos mercados, além de
representar as redes interorganizacionais geradas pelas associações
empresariais. O valor dessa pesquisa foi fornecer uma escala para
medir o contexto cooperativo e competitivo para a associação baseada
na estratégia de coopetição, que pode ser aplicada a outras indústrias
ou setores.

https://doi.org/10.7819/rbgn.v0i0.3326
PDF (English)
PDF